Papa doa 100 mil euros à Cáritas Hellas para ajudar os migrantes

Escrito por em 9 de maio de 2019

A missão do cardeal Krajewski na Ilha de Lesbos levou a concreta solidariedade do Papa Francisco ao fazer uma doação à Cáritas Hellas presente na Ilha e a outras entidades que ajudam os migrantes e refugiados.
“Não me recordo” é a resposta dada pela menina Sheeka, de 13 anos, refugiada vinda do Afeganistão, quando lhe perguntam de onde vinha. Encontramos a menina na Ilha de Lesbos, no centro recreativo Team Humanity, na localidade principal da ilha grega. Aqui as crianças brincam, distraem-se com cinema e cursos de yoga: o centro conta com a presença de 500 a 800 crianças, tudo graças a doações privadas, “não de fundos da União Europeia ou governamentais” faz questão de explicar o responsável Salam Aldeen, filho de uma dinamarquesa e de um iraquiano.
Na quarta-feira (08/05) o centro foi visitado pelo cardeal Konrad Krajewski, o Esmoleiro Apostólico que veio à Ilha para trazer a solidariedade do Papa, acompanhado por Dom Hollerich, arcebispo de Luxemburgo e presidente da presidente da Comissão Episcopal Europeia (COMECE) e por Dom Rossolatos arcebispo de Atenas.

Gesto de ternura do Papa

O cardeal trouxe às crianças do Centro Team Humanity um gesto de ternura particular do Papa, uma contribuição para a construção de uma área de lazer ao ar livre. Mas não foi o único gesto de Francisco aos migrantes da Ilha grega, a grande maioria afegãos, mas também muitos iraquianos, iranianos, sírios e norte-africanos.

O cardeal Krajewski trouxe uma doação de 100 mil euros como contribuição do Santo Padre à preciosa obra da Cáritas Hellas em favor dos que pedem asilo e refugiados. O dinheiro foi entregue a Maria Alverti, diretora da obra caritativa da Igreja local que participa da missão.

A prioridade: salvar as pessoas

“Salvar as pessoas” que já se encontram nos campos, reiterou o cardeal Krajewski, continua sendo a prioridade: trata-se de pessoas que “esperam o futuro, marcado pela esperança” acrescentou.

A Europa abra suas portas

Diante da deterioração das condições de vida destes migrantes e a tanto “sofrimento”, “o Santo Padre – explicou o Esmoleiro Apostólico – mandou uma ajuda para a Cáritas Hellas que trabalha nesta zona: 100 mil euros para as primeiras necessidades, mas Francisco quer ser para esta gente sobretudo uma ponte para uma vida melhor, a ‘terra prometida’. Aqui vemos muitas crianças, muitas mulheres grávidas, que há meses esperam que a Europa abra suas portas, porque neste local não há nenhuma esperança para eles.

O Papa – concluiu recordando a visita de Francisco à Ilha de Lesbos em 2016 – foi embora há três anos, mas permaneceu na Ilha, nunca saiu destes campos de refugidos”.

vaticannews


Opinião dos leitores

Deixe uma resposta


Educadora 90.9

Jacarezinho

Current track

Title

Artist

     Uma Emissora da Rede Educadora de Comunicação e Evangelização.

Background